Carta Capital

Clique para compartilhar o link do texto original

O presidente disse ainda que o impacto sobre o preço dos combustíveis ‘não foi grande’

O presidente Jair Bolsonaro voltou a comentar, nesta segunda-feira 6, sobre a crise entre os EUA e o Irã. O capitão se alinhou ao discurso de Donald Trump e afirmou que o general iraniano Qassem Soleimani, morto pelos EUA, na verdade não era um general. A justificativa dos EUA para matar o militar foi que Soleimani era um terrorista.

CartaCapital precisa de você para continuar fazendo um jornalismo que vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Um jornalismo que fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Sua luta é a nossa luta. Seja Sócio CartaCapital. A democracia agradece.

SEJA SÓCIO

A declaração foi feita na saída do Palácio da Alvorada quando Bolsonaro foi questionado pelos jornalistas sobre o preço do combustível. “Reconheço que o preço [dos combustíveis] está alto na bomba. Graças a Deus, pelo que parece, a questão lá dos Estados Unidos e Iraque, do general lá que não é general e perdeu a vida, não houve. O impacto não foi grande. Foi 5% passou para 3,5%”, disse.

O presidente disse ainda que a tendencia é que o preço do combustível se estabilize. “Não sei quanto está hoje a diferença em relação ao dia do ataque. Mas a tendência é estabilizar”, afirmou

[...]

E não foi só Bolsonaro que se alinhou a Trump. O Ministério das Relações Exteriores defendeu uma luta global contra o terrorismo e disse, através de uma nota, que o Brasil está “pronto a participar de esforços internacionais que contribuam para evitar uma escalada de conflitos”.

Ainda segundo a nota do Itamaraty, o país “acompanha com atenção os desdobramentos da ação no Iraque, inclusive seu impacto sobre os preços do petróleo”, preocupação também demonstrada pelo presidente Jair Bolsonaro em entrevista.

Muito obrigado por ter chegado até aqui…

… Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho de CartaCapital.

O jornalismo vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Está a serviço da democracia e da diversidade de opinião, contra a escuridão do autoritarismo do pensamento único, da ignorância e da brutalidade. Há 25 anos CartaCapital exercita o espírito crítico, fiel à verdade factual, atenta ao compromisso de fiscalizar o poder onde quer que ele se manifeste.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores. Seja Sócio CartaCapital, assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica. A democracia agradece.

SEJA SÓCIO

Leia o texto completo em Carta Capital