Carta Capital

Clique para compartilhar o link do texto original

Apoiada por Roberto Alvim, servidora da Ancine é a primeira substituta na diretoria colegiada da agência

O presidente Jair Bolsonaro nomeou uma integrante da Opus Dei para o cargo de diretoria interina da Ancine. A servidora da Ancine, Luana Rufino, é a primeira substituta na diretoria colegiada da agência. A nomeação foi divulgada no Diário Oficial da União desta quarta 15.

CartaCapital precisa de você para continuar fazendo um jornalismo que vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Um jornalismo que fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Sua luta é a nossa luta. Seja Sócio CartaCapital. A democracia agradece.

SEJA SÓCIO

A Opus Dei é Opus uma instituição católica que tem por fim promover entre pessoas de todas as classes da sociedade o desejo de plenitude da vida cristã no meio do mundo.

Apoiada por Roberto Alvim, novo secretário especial de Cultura do governo federal, Luana é a atual secretária executiva da Ancine. Alvim foi nomeado para o cargo em novembro do ano passado, em substituição a Ricardo Braga que ficou dois meses à frente do cargo.

[...]

Alvim era diretor do Centro de Artes Cênicas da Funarte e sempre foi alinhado a Bolsonaro. Em setembro do ano passado, ele atacou Fernanda Montenegro nas redes sociais, após ela ser capa da revista literária “Quatro cinco um”. Fernanda foi retratada como uma bruxa prestes a ser queimada em uma fogueira com livros, fazendo uma referência aos recentes casos de censura protagonizados pelo governo.

“A foto da sórdida Fernanda Montenegro como bruxa sendo queimada em fogueira de livros, publicada hoje na capa de uma revista esquerdista, mostra muito bem a canalhice abissal destas pessoas, assim como demonstra a separação entre eles e o povo brasileiro”, declarou Alvim, à época.

Muito obrigado por ter chegado até aqui…

… Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho de CartaCapital.

O jornalismo vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Está a serviço da democracia e da diversidade de opinião, contra a escuridão do autoritarismo do pensamento único, da ignorância e da brutalidade. Há 25 anos CartaCapital exercita o espírito crítico, fiel à verdade factual, atenta ao compromisso de fiscalizar o poder onde quer que ele se manifeste.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores. Seja Sócio CartaCapital, assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica. A democracia agradece.

SEJA SÓCIO

Leia o texto completo em Carta Capital