Carta Capital

Clique para compartilhar o link do texto original

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, explicou a uma plateia de bolsonaristas e simpatizantes reunidos em um hotel de São Paulo neste sábado 12 quais são as principais características de um conservador.

“Antes de mais nada, somos um conjunto de pessoas que descobriram o prazer de pensar. Que descobriram o “logos”, a palavra, como a fonte da verdade e a verdade como busca permanente da verdade”, declarou o ministro, que também citou a religião, a tradição e a cultura como outros pilares conservadores.

Em um dos momentos mais aclamados pela audiência presente no evento, Araújo se emocionou ao contar como se descobriu conservador tardiamente e não poupou comparações com o outro lado.

“O conservador é o sujeito menos preconceituoso que existe. Os nossos adversários é que gostam de pensar por rótulos, palavras de ordem. Para eles existe o gay, a mulher, o operário, o camponês. Para o conservador, existe essa ou aquela pessoa.”

“O esquerdismo é totalitário por isso, porque quer totalizar o indivíduo por uma de suas características, seja sua posição social ou orientação sexual, etc”, completou.

Leia também:

[...]

 

“Como se atreve?”

Com o subjetivo tema “O novo momento histórico econômico do Brasil, com o fim da política de viés socialista e a guinada liberal e os próximos passos do Brasil rumo ao liberalismo”, a palestra de Araújo durou aproximadamente meia hora e abordou, entre outros assuntos, a entrada do Brasil na OCDE e a crise da Amazônia.

Para ele, o Brasil enfrenta um “arco ideológico” formado por “climatismo”, “globalismo”, “racialismo”, “politicamente correto” e até autores “neomaoístas”. “É esse arco ideológico do cinismo que queremos mudar”, defende Araújo, que, em seguida, tenta explicar o que seria um destes termos: “O climatismo está para a mudança climática como o globalismo está para a globalização. A mudança climática deveria ser estudada de maneira serena, racional, mas também foi capturada por uma ideologia.”

Sobre este tema, Araújo também criticou a jovem ativista Greta Thunberg e a ONU: “No mesmo dia que ela foi falar nas Nações Unidas, eu recebi uma foto de uma menina na Venezuela que tem 14 anos e pesa 14 kg, por conta da fome gerada por esse regime horroroso. E a Greta com 16 anos, bem alimentada, nas Nações Unidas, as mesmas Nações Unidas que não fazem nada por essa menina da Venezuela. Eu que pergunto: how dare you? (como se atreve?)”, disse, parafraseando Greta na ONU.

As declarações de Araújo foram dadas na abertura do segundo dia da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), evento ultraconservador realizado pela primeira vez no Brasil. Além do ministro das Relações Exteriores, o evento também teve palestras dos também ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Damares Alves (Família e Direitos Humanos).

The post Ernesto Araújo: “O conservador é o menos preconceituoso que existe” appeared first on CartaCapital.

Leia o texto completo em Carta Capital