Carta Capital

Clique para compartilhar o link do texto original

O clube afirmou que tomou a decisão por conta das manifestações contrárias nas redes sociais

O clube baiano Fluminense de Feira declarou, nesta terça-feira 07, que desistiu da contratação do goleiro Bruno Fernandes de Souza, que cumpre pena pelo assassinato da modelo Eliza Samudio em 2010.

CartaCapital precisa de você para continuar fazendo um jornalismo que vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Um jornalismo que fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Sua luta é a nossa luta. Seja Sócio CartaCapital. A democracia agradece.

SEJA SÓCIO

Em nota publicada nas redes sociais, o Fluminense afirmou que a decisão se deu por conta “de uma grande manifestação por parte da torcida, em especial, a torcida feminina”. O presidente do clube, Pastor Tom – que também é deputado estadual da Bahia pelo PSL -, afirmou que a pressão feita nas redes sociais também afastou a diretoria do clube da contratação.

Apesar de Bruno cumprir pena em regime semi-aberto pelo crime, o clube já corria com os trâmites legais para a atuação do ex-goleiro no time.

“Ainda que o jurídico me deu um parecer que ele vai chegar com oito a dez dias, eu quero dizer que o Fluminense está desistindo da contratação do mesmo devido à manifestação popular. Foi um apelo da torcida, foi um apelo do povo, quem não ouve o povo é porque é maluco”, afirmou o pastor.

Nesta terça-feira 07, uma reportagem veiculada no Bahia Meio Dia, da TV Bahia, repercutiu nas redes sociais especialmente pelo comentário da apresentadora Jéssica Senra. Ao vivo, a jornalista nomeou o goleiro de “feminicida Bruno” e afirmou que a contratação se tratava de um desrespeito.

“É um desrespeito a todas as crianças e adultos que cresceram sem mães por causa de homens desprezíveis que tiraram a vida de mulheres. É um desrespeito a toda a sociedade de um País onde 12 mulheres são mortas todos os dias. E mais, colabora com a ideia de que matar mulheres é permitido”

[...]

Bruno Fernandes foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão em regime fechado, acusado de assassinato e ocultação de cadáver. Em julho de 2019, o juiz Tarciso Moreira de Souza, da 1ª vara Criminal e de Execuções Penais de Varginha/MG, concedeu ao ex-goleiro a progressão de regime para o semiaberto domiciliar.

Na segunda-feira 6, o movimento em defesa dos direitos das mulheres – Mulheres do MNU-BA/Seção de Feira de Santana e o MOMDEC – Movimento de Mulheres em Defesa da Cidadania e a Rede de Mulheres Negras da Bahia soltaram uma nota de repúdio contra a possível contratação.

“Registramos nosso repúdio a contratação do goleiro Bruno Fernandes, de 35 anos, que foi condenado pelo assassinato da modelo Elizia Samúdio em 2010. Vale lembrar que ele só não foi julgado também por ocultação de cadáver porque este crime expirou antes de ir a juízo. Ou seja, embora a morte tenha sido provada e ele condenado, até agora, os familiares da Elizia ainda não tiveram o direito de saber o que foi feito seu corpo”, diz um trecho do texto.

Muito obrigado por ter chegado até aqui…

… Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho de CartaCapital.

O jornalismo vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Está a serviço da democracia e da diversidade de opinião, contra a escuridão do autoritarismo do pensamento único, da ignorância e da brutalidade. Há 25 anos CartaCapital exercita o espírito crítico, fiel à verdade factual, atenta ao compromisso de fiscalizar o poder onde quer que ele se manifeste.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores. Seja Sócio CartaCapital, assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica. A democracia agradece.

SEJA SÓCIO

Leia o texto completo em Carta Capital