Carta Capital

Clique para compartilhar o link do texto original

Vagas poderão passar de 100 mil em 2020 para 54 mil em 2021 e 2022

O Ministério da Educação (MEC) publicou novas regras para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) a partir de 2020. O número de vagas vai diminuir para quase metade do atual, segundo publicação do Diário Oficial da União (DOU).

CartaCapital precisa de você para continuar fazendo um jornalismo que vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Um jornalismo que fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Sua luta é a nossa luta. Seja Sócio CartaCapital. A democracia agradece.

SEJA SÓCIO

A pasta informou que as vagas poderão passar de 100 mil em 2020 para 54 mil em 2021 e 2022. Para o primeiro semestre de 2020, as normas serão as mesmas. No segundo semestre, mudam as regras do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies), que tem juros variáveis e é voltado para pessoas com renda familiar de até cinco salários mínimos. Em 2021, entram as novas regras do Fies, que tem juros de zero por cento.

O P-Fies deixará de ter limitações em função da renda familiar e não obrigará mais que o candidato se submeta ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para se tornar um beneficiário. O programa também passa a ser independente do Fies.

[...]

Já o Fies mudará a nota de corte da redação do Enem: antes, seria preciso não tirar zero, agora, será necessário obter 400 pontos. A média das cinco provas do Enem deverá resultar em pelo menos 450 pontos. Para pedir a transferência da faculdade, o candidato também deverá ter tirado nota de corte do curso ao qual pretende ir. O candidato deverá ter renda de até três salários mínimos.

O Fies 2020 abrirá inscrições em 5 de fevereiro e encerrará o prazo em 12 de fevereiro. Os resultados serão divulgados no dia 26 do mesmo mês. A chamada para lista de espera ficará aberta entre 26 de fevereiro e 31 de março.

 

Muito obrigado por ter chegado até aqui…

… Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho de CartaCapital.

O jornalismo vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Está a serviço da democracia e da diversidade de opinião, contra a escuridão do autoritarismo do pensamento único, da ignorância e da brutalidade. Há 25 anos CartaCapital exercita o espírito crítico, fiel à verdade factual, atenta ao compromisso de fiscalizar o poder onde quer que ele se manifeste.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores. Seja Sócio CartaCapital, assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica. A democracia agradece.

SEJA SÓCIO

Leia o texto completo em Carta Capital