Carta Capital

Clique para compartilhar o link do texto original

Em transmissão ao vivo pelas redes sociais de Jair Bolsonaro na quinta-feira 31, o secretário de Pesca do governo afirmou que os peixes são “bichos inteligentes” que fogem das manchas de óleo que se alongam pelo litoral nordestino há dois meses, e negou que a pesca esteja proibida na região.

“Pessoal, nós já fizemos inúmeros testes, [não tem] nenhum peixe contaminado. Podem consumir pescado. Lembrando que o peixe é um bicho inteligente. Quando ele vê uma manta de óleo ali, capitão, ele foge, ele tem medo. Então, obviamente, você pode consumir seu peixinho sem problema algum”, disse Jorge Seif Júnior.

Logo em seguida, Bolsonaro acrescenta que o peixe não está morrendo, mas que “tudo bem” de outros animais marinhos estarem sentindo impactos do petróleo que chega às praias. “Obviamente, de vez em quando fica uma tartaruga ali na manta de óleo, pra não falar que ninguém fica, né? Um peixe… um golfinho pode ficar, mas tudo bem”.

De acordo com os dados de fauna atingida cedidos pelo Ibama, 110 animais já foram encontrados oleados em decorrência do vazamento. Desses, 81 estão mortos. Além de tartarugas, também passaram por avaliação espécies de pássaros e até um peixe-boi marinho.

[...]

A fala de Jorge Seif vai de encontro com a recente mudança de atitude do Ministério da Agricultura (MAPA) em relação aos peixes das regiões afetadas, já que, na sexta-feira 25, o MAPA publicou uma portaria que proibia a pesca de lagosta e camarão devido a “grave situação ambiental resultante de provável contaminação química por derramamento de óleo”.

No dia 30 de outubro, a ministra Teresa Cristina revogou a medida alegando que não haviam provas suficientes para suspender a atividade pesqueira. “A gente já tem dados mostrando que não é necessário. A lagosta está sendo examinada. O Ministério da Agricultura está fazendo uma série de testes”, alegou.

 

The post “O peixe é inteligente, ele tem medo do óleo”, diz secretário de Pesca appeared first on CartaCapital.

Leia o texto completo em Carta Capital