Carta Capital

Clique para compartilhar o link do texto original

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou que um novo AI-5 poderá ser instaurado no Brasil caso a esquerda se radicalize. “A gente em algum momento tem que encarar de frente isso daí. Vai chegar um momento em que a situação será igual no final dos anos 60 no Brasil”, disse o parlamentar referindo-se aos protestos no Chile.

O filho 03 do presidente Jair Bolsonaro concedeu uma entrevista à jornalista Leda Nagle, que foi publicada em seu canal no YouTube. Quando questionado sobre a participação do Foro de São Paulo nas manifestações chilenas, o parlamentar afirmou que o dinheiro que “banca” os protestos vem das “ditaduras” cubanas e venezuelanas e que se essa onda chegar ao Brasil, o governo dará uma resposta.

[...]

“Pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito, como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada, pois é uma guerra simétrica”, declarou Eduardo.

O Ato Institucional Número 5 (AI-5) foi o quinto e o mais duro dos 17 grandes decretos emitidos pela ditadura nos anos que se seguiram ao golpe de estado de 1964 no Brasil.

Ele foi assinado pelo presidente Artur da Costa e Silva em 13 de dezembro de 1968. Isso resultou na perda de mandatos de parlamentares contrários aos militares, intervenções ordenadas pelo presidente nos municípios e estados e também na suspensão de quaisquer garantias constitucionais que eventualmente resultaram na institucionalização da tortura, comumente usada como instrumento pelo Estado.

The post “Se esquerda se radicalizar, um novo AI-5 pode ser feito”, diz Eduardo Bolsonaro appeared first on CartaCapital.

Leia o texto completo em Carta Capital