Carta Capital

Clique para compartilhar o link do texto original

Postagem acusa presidente de traição por manter item do pacote anticrime que cria ‘juiz de garantias’

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, compartilhou uma publicação no Twitter que criticava a decisão do presidente Jair Bolsonaro em não vetar um dos itens do pacote anticrime, que cria a figura do “juiz de garantias” nos processos criminais. O texto foi replicado na quarta-feira 25 e foi apagado horas depois.

CartaCapital precisa de você para continuar fazendo um jornalismo que vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Um jornalismo que fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Sua luta é a nossa luta. Seja Sócio CartaCapital. A democracia agradece.

SEJA SÓCIO

O post original foi escrito pelo influenciador digital conservador Nando Moura e acusa Bolsonaro de traição. Segundo ele, “ao sancionar a emenda do [deputado federal do PSOL, Marcelo] Freixo”, Bolsonaro “traiu não só o ministro Sergio Moro, mas todo o povo brasileiro”.

Após excluir o compartilhamento, Weintraub escreveu que fez a ação sem querer.

“Estou em viagem, em um navio, com internet intermitente. Fico horas sem internet. Dei RT sem querer em um post. Evidentemente que foi um erro”, desculpou-se o ministro.

A decisão de Bolsonaro em criar o juiz de garantias ocorreu a contragosto de Moro, que recomendou que o presidente vetasse o item. Bolsonaro sancionou o pacote anticrime nesta semana.

Após oito meses no cargo, Weintraub está com um pé fora do Ministério da Educação. Segundo mostrou CartaCapital na edição 1086, o ministro já teria sido avisado de que não continuará na pasta em 2020, mas as conversas para definição de seu sucessor ainda estariam em curso.

Muito obrigado por ter chegado até aqui…

… Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho de CartaCapital.

O jornalismo vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Está a serviço da democracia e da diversidade de opinião, contra a escuridão do autoritarismo do pensamento único, da ignorância e da brutalidade. Há 25 anos CartaCapital exercita o espírito crítico, fiel à verdade factual, atenta ao compromisso de fiscalizar o poder onde quer que ele se manifeste.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores. Seja Sócio CartaCapital, assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica. A democracia agradece.

SEJA SÓCIO

Leia o texto completo em Carta Capital