Diário do Centro do Mundo

Clique para compartilhar o link do texto original

Luciano Ayan fala ao DCM. Foto: Pedro Zambarda/DCM

Luciano Ayan é o pseudônimo de Carlos Augusto de Moraes Afonso, um técnico de TI que é dono da página Ceticismo Político. Fazia o que ele define como “guerra política” na internet.

“Guerra política não tem nada a ver com as táticas sujas executadas pela extrema direita no Brasil”, explica.

Ayan ficou famoso em meados de 2018 quando atacou Marielle Franco republicado uma notícia da desembargadora Marília Castro Neves e teve sua conta suspensa no Facebook.

Ex-olavista e próximo da máquina de fake news do bolsonarismo, acabou sendo vítima da “máquina de linchamentos” e atualmente se dedica a denunciar a turma em suas redes.

Sua militância digital começou em 2004 na extinta rede social Orkut.

Usava o pseudônimo “Luciano Henrique” para provocar “neoateus” e fãs de autores como Richard Dawkins.

Foi a partir desses confrontos que teve contato com as ideias de Olavo de Carvalho.

“Só me fez perder tempo, mesmo que tenha servido de inspiração inicial. Me fez ficar cercado de um círculo de fanáticos. É um tipo de gente que, após sua saída, ficam o tempo todo te atazanando e te perseguindo, mesmo que você jamais tenha feito qualquer tipo de acordo com eles. É um grupo claramente perigoso”, disse ao DCM.

A briga se deu a partir de 2014, em torno do golpe.

“Meu primeiro rompimento ocorreu em outubro de 2015. Argumentei em favor do impeachment de Dilma Rousseff e escrevi que Olavo talvez estivesse ressentido por que não davam atenção ao Foro de São Paulo. Também afirmei que requisitar fechamento de partidos do Foro era autoritário”, afirma.

Olavo, com sua categoria habitual, o chamou de “Dr. Pirrôla do jornalismo. Sua missão é confundir, falsificar, macaquear, distorcer, desnortear e fazer-se de gostosão”.

A vida no WhatsApp

“O bolsonarismo é um grupo político autoritário e que depende de intimidação, humilhação e linchamento para se sustentar. Sem isso, eles sucumbem. Não possuem projeto, não possuem base social, não possuem princípios etc. É uma direita ‘vazia’, que leva a lógica de ‘poder pelo poder’ às últimas consequências. Boa parte desse poder é garantido pela intimidação, o medo e quebra da moral das pessoas”, afirma Luciano Ayan.

Ele a fez parte de grupos de WhatsApp e viu de perto o que aconteceu.

“Víamos claramente que a produção de fake news era incessante. Em 2018 notícias sobre urnas fraudadas não paravam de aparecer. Logo depois da facada de Adélio em Bolsonaro, muitas pessoas buscavam ‘culpados adicionais’ pelo atentado”, conta.

“Em alguns casos, apontavam pessoas inocentes. Mesmo que mostrássemos que inocentes estavam sendo acusados, normalmente não se voltava atrás. Essas eleições claramente foram afetadas por fake news e, lamentavelmente, principalmente pelo lado da extrema direita”.

A máquina segue em pleno funcionamento depois da eleição, como se sabe.

“O que se percebe é que Bolsonaro acredita que dominará toda a direita pela via dos linchamentos. É uma tática muito arriscada, pois na época da conexão em massa as pessoas podem se conectar umas às outras e comentarem esses ataques, gerando indignação. Há muitas pessoas com medo de revidar os ataques bolsolavistas. Bolsonaro claramente executa uma gestão por conflitos, valorizando os que mais conseguem destruir os outros moralmente. Nota-se por exemplo como a reputação de Mourão, Bebianno, Santos Cruz e diversos outros foi completamente destruída a partir de dentro”, complementa.

O caso Marielle 

No dia 14 de março de 2018, a vereadora Marielle foi brutalmente assassinada com seu motorista Anderson Gomes.

Ela levou quatro tiros, sendo três na cabeça. Dois das depois, a colunista Mônica Bergamo divulgou declarações da desembargadora Marília Castro Neves sobre ela, afirmando que estava “engajada com o Comando Vermelho” e que tinha proximidade com o traficante “Marcinho VP”.

O blog Ceticismo Político repercutiu a notícia de Bergamo sobre a desembargadora afirmando que acabava com a “narrativa do PSOL”.

“O blog publicou muitas notícias comentadas entre 2014 e 2018. Foi nisso que acabei me estrepando ao citar a declaração da desembargadora Marília Castro sobre Marielle. Não era uma fake news, mas, de fato, foi uma imprudência ter dado voz a algo para o qual a desembargadora não tinha provas. Esse é o tipo de coisa que eu me arrependo”, afirma.

Na época da morte de Marielle, Luciano Ayan chegou a afirmar que a vereadora era “contra a polícia”.

[...]

“Se você me perguntasse isso naquela época, sob aquele clima, eu veria de outra forma. Mas passados 18 meses, vejo que não havia motivo sequer para ter feito aquela matéria. Eu não conhecia muito o trabalho de Marielle e não tinha nada contra ela. Depois fui saber que era uma vereadora muito mais moderada do que eu pensava e era respeitada por setores da Polícia Militar. Na época, minhas páginas de Facebook foram derrubadas”.

Quando seu nome passou a ser associado com fake news, ele também passou a se voltar contra a imprensa.

“Por indignação com a mídia, eu ajudei a promover um discurso de acirramento contra os jornalistas. Me arrependo de ter feito parte. Nesse sentido, sem querer, eu contribuí para o clima anti-mídia dentro da direita”, declara.

“Não fui o único responsável, mas um deles. Isso saiu do controle e virou um discurso nitidamente autoritário. O que eu faria diferente, então, era não ter ajudado a impulsionar o esse discurso”.

“Votei no Bolsonaro contra o PT e sou obrigado a ouvir que faço parte de uma conspiração globalista por parte dessas pessoas”, completa.

A rede bolsonarista

Luciano Ayan vê a atuação de facções diferentes na guerrilha virtual bolsonarista: influenciadores, políticos e assessores com cargos, youtubers, perfis que atuam exclusivamente no Twitter, perfis extremos também no Twitter que geralmente são fakes, além de uma mídia própria das milícias.

Para ele, os influenciadores são Olavo de Carvalho, Allan dos Santos, Fernanda Salles, Flavio Morgenstern, Italo Lorenzon, Leandro Ruschel, Claudia Wild, Silvio Grimaldo, Taiguara F. de Sousa, Eduardo Matos de Alencar, Alexandre Pacheco, Filipe Trielli, André Assi Barreto, Ricardo Roveran, Fernando Melo, Diego Garcia e Filipe Eduardo.

Os defensores de cargos públicos são a família Bolsonaro, Caroline de Toni, Gil Diniz, Helio Lopes, Carlos Jordy, Damares, Filipe Barros, Marcio Labre, Filipe G. Martins, Sara Winter, Steh Papaiano, Arthur Weintraub, Fabio Wajngarten, Onyx Lorenzoni, Abraham Weintraub, Roberto Alvim e Ernesto Araújo.

Os youtubers bolsonaristas são Bernardo Kuster, Daniel Lopez, Nando Moura, Lilo VLOG, Fábio ClickTime, Marcelo Brigadeiro, Fernando Melo e Paula Marisa, entre outros. Perfis do Twitter são Isentões, Dona Regina, Tonho Drinks, O Ódio do Bem, Bolsonéas, Patriotas e outros.

E há os perfis extremos na rede, que fazem linchamento e “terrorismo virtual” na opinião de Luciano Ayan: Left Dex, Peruvian Bot e “Deja el Loen te lechar?”. Ele define esses últimos como a “boca do lixo” na internet.

As mídias bolsonaristas nunca trazem jornalistas profissionais. São órgãos como Crítica Nacional (de Paulo Enéas e Otávio Fakhoury), Renova Mídia, Conexão Política, Senso Incomum (onde no passado atuava Felipe G. Martins e pode ser de Flávio Morgenstern) e Terça Livre (do Allan dos Santos).

Essa rede, no entanto, está em crise.

“Setores bolsolavistas não vão querer gente falando em Queiroz, pedindo a CPI da Lava Jota e criticando Augusto Aras na PGR”.

Arrependimentos 

O dono do Ceticismo Político garante que faria muita coisa de diferente. “Goste-se ou não, Lula foi um presidente com uma visão humana das questões políticas. Note a diferença com Bolsonaro, que é quase o inverso. Para Bolsonaro, seres humanos são apenas carne para o moedor”, define.

“É um governo sem humanidade. A direita tem extrema dificuldade de lidar com isso, de modo que Lula é odiado com todas as forças. Não é algo racional”.

Luciano Ayan afirma que o Ceticismo não rendeu monetização nem por seis meses e que a revelação do seu verdadeiro nome trouxe problemas para seu trabalho com tecnologia.

Pretende publicar um livro sobre seitas e como elas se manifestam nessa extrema direita bolsonarista.

Teve uma sociedade com Pedro Deyrot, um dos fundadores do MBL, que afirma que não foi adiante e foi encerrada.

Mantém contato com nomes do MBL. “No entanto, não quero ser confundido com um integrante do grupo deles. Converso com pessoas com opiniões inclusive mais críticas às minhas”.

“Se voltasse no tempo, teria votado em Ciro Gomes ou Fernando Haddad. Por mais que isso possa incomodar algumas pessoas de meu círculo de amizades”, afirma.

“Hoje em dia eu prefiro um candidato de esquerda democrática a um de direita autocrática”.

Leia o texto completo em Diário do Centro do Mundo