O Cafezinho

Clique para compartilhar o link do texto original

Reportagem da Veja publicada hoje, com trechos de diálogo entre o hacker Walter Delgatti Neto, que invadiu o Telegram de várias autoridades do país, e a ex-deputada Manuela D’Ávila, traz uma informação que revela o estado de espírito de pelo menos um ministro do STF, Carmen Lúcia, que foi a presidente do tribunal de setembro de 2016 a setembro de 2018, antes de Dias Toffoli assumir a função.

Trecho da matéria na Veja:

(…) No dia seguinte, 13 de maio, Manuela recebeu uma segunda mensagem do hacker. Dessa vez, ele se identificava como “Brazil Baronil” e garantia que também tinha conversas que mostrariam a parcialidade de ministros do STF, diálogos que teriam potencial para invalidar todos os processos da Operação Lava-Jato. Citou três magistrados que teriam sido alvo da interceptação: os ministros Cármen Lúcia, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso, que fariam parte de um grupo no Telegram. “Eu tenho uma conversa da carmem (que era para ser imparcial, segundo o princípio do juiz natural) dizendo sobre a norte (morte) do sobrinho do Lula. Fazendo até piada”, escreveu o hacker. “E ainda ela disse exatamente assim: quem faz mal para outrem, um dia o mal retorna, e pode ser até no sobrinho.” “A Rosa Weber saiu do grupo na hora!”

[...]

Leia o texto completo em O Cafezinho