Opera Mundi

Clique para compartilhar o link do texto original

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concedeu pela primeira vez uma entrevista a um veículo de comunicação de Portugal. Durante a conversa com o jornalista Ricardo Dentinho, da emissora de TV aberta RTP, em horário nobre (21h, em Lisboa), Lula reafirmou seu objetivo no momento. “Estou aqui tentando mostrar para o Brasil e o mundo como os novos golpes se dão na América Latina no século 21. Diferente do século passado, você utiliza o Judiciário e as instituições públicas para poder condenar uma pessoa. Estou tentando contar minha versão sobre as mentiras contadas sobre o Lula.”Lula foi questionado sobre a possibilidade de progredir para o regime semiaberto, após pedido do próprio MP. Sua defesa rejeitou, por questão de princípios. “Caráter não se encontra em supermercados. Você não encontra caráter em free shop. Quero minha liberdade plena, meu atestado de inocência. Quem deveria estar preso é quem contou mentiras sobre mim. Tem inquéritos mentirosos, acusações do MP mentirosas e uma sentença mentirosa”, disse.“As mesmas pessoas que contaram essas mentiras estão pedindo para que eu vá para a minha casa com esse ‘prêmio’ da progressão da pena. Mas não quero isso, quero o julgamento do mérito do meu processo. Ponto”, completou.FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDILula lembrou que lhe foi negado o direito de velar o corpo de seu irmão ao ser questionado sobre as consequências pessoais de sua prisão. “Quando você comete um crime e se sente culpado, você implora a progressão de pena por querer ir pra casa. Quando a pessoa é inocente, a pessoa precisa de um julgamento justo. Como acho que Moro mentiu, Dallagnol mentiu, quero um julgamento justo.”

[...]

Leia o texto completo em Opera Mundi