Opera Mundi

Clique para compartilhar o link do texto original

O presidente do Equador, Lenín Moreno, ordenou neste sábado (12/10) a instauração de um toque de recolher e de um controle militar em Quito e seus arredores. A medida visa conter as manifestações violentas que tomam conta do país há onze dias. A decisão do chefe de Estado foi anunciada logo após o principal movimento indígena equatoriano informar que iria apoiar um diálogo com Moreno.O toque de recolher entra em vigor às 15h pelo horário local. Segundo informou o próprio presidente pelas redes sociais, o objetivo é facilitar o trabalho da força pública diante dos atos de violência "intoleráveis”.He dispuesto el toque de queda y la militarización del DMQuito y valles. Empezará a regir a las 15:00. Esto facilitará la actuación de la fuerza pública frente a los intolerables desmanes de violencia.— Lenín Moreno (@Lenin) October 12, 2019As manifestações em Quito começaram há 11 dias. Os moradores protestam contra o fim dos subsídios decretado por Moreno, com base em um acordo firmado com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e que elevou os preços dos combustíveis em até 123%.A revolta tomou conta das ruas e Moreno teve que transferir a sede do governo da capital Quito para a cidade portuária de Guaiquil.

[...]

Leia o texto completo em Opera Mundi