Outras Palavras

Clique para compartilhar o link do texto original

Por Cristóbal León Campos | Tradução: Rôney Rodrigues

Começa
a sétima semana de protestos no Haiti, país que é exemplo das extremas consequências
provocadas pelas políticas neoliberais na América Latina e de uma condenação
que já se arrasta por séculos. Mergulhado, durante todo o ano de 2019, em constante
crise de governo e social, uma cadeia de manifestações itinerantes são
registradas, com elementos comuns aos recentes acontecimentos em outros países
latino-americanos que rechaçam, categoricamente, as medidas econômicas
implementadas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e o imperialismo
estadunidense.

Mas,
no Haiti, esses motivos já transbordam: diferentemente desses outros países,
não tem, há décadas, períodos de estabilidade – mesmo que em muitos países
(como o Chile) esse período de estabilidade resultou, na verdade, em uma farsa.
A pobreza extrema, a desigualdade, a violência estrutural, a superexploração e
o racismo são elementos que definem, quase como norma, a realidade da nação
caribenha e, além disso, ela carrega sobre suas costas uma permanente campanha,
realizada pelos grandes meios de comunicação, para ocultar o que se passa por
lá: sobre as crises, os protestos e as reivindicações sociais no Haiti não se
fala, sequer para desqualificá-las e tergiversá-las. Esse completo silêncio coloca
em risco a integridade humana. Mas o Haiti é a evocação continua da necessidade
de construir outro mundo.

Os
protestos começaram devido à escassez de combustível — e o consequente aumento
de seu preço –, pela falta de comida, remédios, gás e água potável e pela
desvalorização da moeda, o que aprofundou a crise econômica enfrentada pelo
país mais pobre da América Latina, onde a maioria da população sobrevive com
dois dólares ao dia – ou com muito menos. O povo tomou as ruas para enfrentar o
neoliberalismo; trabalhadores e trabalhadoras resistem a repressão brutal — que
assassina e prende a muitos –, mantendo a força para continuar; diversos
sindicatos, o movimento feminista e partidos políticos se agregaram; uma
organização de base lhes outorga autoridade entre os despossuídos (algo que o
poder burguês jamais compreenderá); professores e os estudantes se somaram a
greve geral; o povo, organizado em um Fórum Patriótico, propõem, após a
renúncia do presidente, “uma governo de transição por um período de três anos
para enfrentar os problemas de fome, miséria e desemprego que afeta a mais de
80% da população e a reforma das instituições estatais, segundo as necessidades
da população”.  

A luta
haitiana sempre tem um toque mais elevado em sua densidade porque não é apenas
uma luta para frear medidas antipopulares, mas também uma luta para sobreviver
como povo, nação e seres humanos.

[...]

Frente
as mobilizações populares, o presidente haitiano, Jovenal Moïse, declarou que “não
é apegado ao poder, mas às reformas que pretende implementar”, mas, no entanto,
não revela que as reformas que almeja visam modificar a Constituição e as leis
aduaneiras e do setor energético — tudo para seguir beneficiando os
saqueadores e os exploradores. Acusado de corrupção, a população pede a
renúncia do presidente Moïse, o que, talvez, justifique seu ferrenho amor ao
poder quando disse que é necessário “ver como podemos tirar proveito desta
crise, como fazer desta crise uma oportunidade”. Esse é o retrato do cinismo de
quem oprime; a oportunidade que semeiam é continuar com um Estado indefeso
diante da ingerência imperialista e neocolonial. O Haiti, primeira colônia a se
libertar na América, hoje o país mais lastimado pelas velhas potências, nostálgicas
de sua hegemonia, é o retrato da soberba e da vingança e, para coroar isso, vive
uma ocupação estrangeira desde princípios do século XXI, sob pretexto de “ajuda
humanitária”. Uma coalização de nações a mantem sitiada sob aval da ONU, uma
das muitas incongruências desse organismo internacional; recentemente, no dia
17 de outubro, a ONU declarou a continuidade de sua política intervencionista com o programa BITUH para a MINUJUSTH [Missão das
Nações Unidas para o Apoio à Justiça no Haiti], que precedeu os Capacetes
Azuis, que cometeram múltiplas humilhações contra o povo haitiano.

Uma
das grandes mobilizações que se registrou nessas novas jornadas de resistência
foi, justamente, dirigida a esse intervencionismo: os manifestantes se
dirigiram ao quartel general da ONU, próximo ao Aeroporto Internacional de
Porto Príncipe, e ali expressaram seu repudio ao apoio do Grupo Central ao
governo Jovenal Moïse, que o nomeou nada mais e nada menos que representante
especial da Secretaria Geral da ONU; os embaixadores da Alemanha, Brasil,
Canadá, França, Estados Unidos e os representantes da Espanha, da OEA e da União
Europeia, todos esses países e organizações guardam um silêncio culposo sobre a
real situação que se encontra o Haiti; todos são cumplices da opressão de longa
duração que abate o Haiti; todos se beneficiam e extraem grandes riquezas. O
neocolonialismo é real, tão real como a bota imperialista no mundo. O Haiti
está travando uma longa batalha contra todo o sistema mundial, mas é esquecido
pela maioria das nações. É tempo de conhecer a verdade sobre o Haiti e radicalizar
as manifestações de apoio. A libertação haitiana é também a emancipação dos
povos latino-americanos.

Nenhuma solução favorável ao povo haitiano virá das políticas neoliberais impostas pelo FMI, pelo imperialismo e pelo neocolonialismo; o Haiti, assim como toda a Nossa América, enfrenta o desafio e a necessidade de construir uma nova ordem mundial. Esta região do mundo é chamada a ser a vanguarda nesta impostergável urgência, a resistência contra o neoliberalismo deve conduzir o povo a uma aberta crítica a todo o sistema capitalismo e à reformulação de um projeto emancipador global, o socialismo precisa levantar a mão para canalizar as demandas sociais e reformular-se para perceber o anseio por um mundo realmente justo, livre e humano.

The post Nas ruas, o Haiti resiste à sanha neocolonial appeared first on Outras Palavras.

Leia o texto completo em Outras Palavras