Ponte Jornalismo

Clique para compartilhar o link do texto original

Ex-presidente uruguaio Pepe Mujica está entre personalidades que mandaram mensagens de apoio à Ocupação Alcântara Machado, onde 33 famílias vivem desde 2015

Robson, 48 anos, morador da ocupação Alcântara Machado|Foto: Daniel Arroyo/Ponte

O início de um novo ano sempre vem recheado de boas expectativas, desejos de felicidade e paz. Mas, para as os moradores da Ocupação Alcântara Machado, localizada nos baixos do viaduto de mesmo nome, na Mooca, zona leste, o começo de 2020 pode trazer o amargo gosto de uma reintegração de posse. A expectativa de quem vive no local é de que o despejo seja realizado ainda em janeiro, já que a autorização para remoção foi expedida em dezembro passado pela juíza Simone Gomes Rodrigues Casoretti, da 9ª Vara da Fazenda Pública.

A ocupação tem sua organização, com banheiros divididos por gênero, cozinha e lavanderia comunitárias, e seu iminente despejo tem chamado a atenção de diversas personalidades contrárias à ação da gestão Bruno Covas (PSDB). Vídeos de apoio gravados por jornalistas, artistas e autoridades têm sido divulgados pela página do Catso (Coletivo Autônomo de Trangressorxs Sociais) no Facebook. 

Até mesmo o ex-presidente do Uruguai José Alberto Mujica, o Pepe Mujica, se pronunciou a favor da comunidade. Em um vídeo de dois minutos, Pepe Mujica, como também é conhecido, pede para que os moradores não desistam e, em espanhol, diz que “frequentemente há um sociedade rica que passa e finge que não os vê, não os entendem, que às vezes pior que a pobreza é o desprezo”.  

“Pior que a pobreza é o desprezo” – Pepe Mujica manda um salve pra Alcântara Machado

Risco de despejo: Pepe Mujica manda apoio à Alcântara MachadoHá muitos anos pessoas moram embaixo do Viaduto Alcantara Machado, na Mooca. Há seis anos que ex-trabalhadorxs e povo de rua ocuparam o espaço de convivência da prefeitura que foi transformado em moradia e espaço autogerido de acolhimento. Há seis anos que pessoas pobres, sem sequer ter onde dormir, lutam contra a gentrificação e os desmandos da prefeitura de São Paulo pelo mínimo de dignidade.Há alguns dias, fomos surpreendidxs com visitas de funcionários da SEHAB – Prefeitura de Sao Paulo, junto à Subprefeitura Da Mooca (que representa os interesses dos empresários da região), anunciando um despejo para o último dia 15. Assim, sem oferecer nenhuma segurança de que as centenas de pessoas que tem ali sua casa possam ter garantia de ter ainda onde comer, dormir, tomar banho. Depois de muita luta e articulação, a maloca conseguiu não ser despejada no dia 15, a justiça atendeu o pedido de reintegração sem data da prefeitura de São Paulo. Mais: deu uma carta em branco, sem data, o que faz com que as famílias, crianças, deficientes e todos que usam o espaço possam inclusive passar o natal nas calçadas.A maloca não é só um teto para se abrigar. Também é o espaço onde muitas pessoas encontram a comunidade e família que lhes foram negadas. Despejar as pessoas que moram ali não é apenas – e isso é muita coisa – tirar o minimo de dignidade e condições de existência destas pessoas, mas também destruir uma comunidade forte, organizada por si mesma, que prova todo dia que existe amor em SP, que existe luta, e que “sozinho ninguem se salva”, como diz o Pepe Mujica em sua mensagem direta a quem resiste nos baixos do viaduto.E a Prefeitura De São Paulo, como se posiciona? Irá despejar mais algumas centenas de pessoas pobres na rua, sem oferecer nenhuma opção de moradia, segurança alimentar, reconhecimento de dignidade? É essa opção de extermínio o que têm a oferecer aos mais pobres da cidade? Quem serão os próximos?+ sobre as pessoas que moram e como organizam a maloca:https://www.facebook.com/coletivocatso/videos/445433819705934/

Posted by Coletivo Autonomo De Transgressorxs Sociais – Catso on Monday, December 16, 2019

Outras mensagens vieram de músicos como Edgar Scandurra, Helião do RZO e Rodrigo do Dead Fish. Os jornalistas José Trajano e Juca Kfouri integram a lista, e padre Julio Lancelloti, da Pastoral do Povo da Rua da Arquidiocese de São Paulo e conhecido pela luta de décadas em favor da população vulnerável, também deu seu recado. “Saibam que vocês têm sempre meu apoio. Vamos pular na bala juntos, contra toda a repressão e violência, para achar saídas. Não percam a esperança, vocês não estão sozinhos”.

A ocupação, que teve início em 2015 após o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) desativar um espaço de convívio para os moradores em situação de rua implementado três anos antes por seu antecessor no cargo, Gilberto Kasssab – à época no DEM, atualmente no PSD -, é habitado por cerca de 30 famílias que vivem em barracos e outras 50 pessoas que dormem na conhecida “praia”, ou seja, dentro de barracas de camping ou que repousam apenas em colchões. 

Parte da ocupação, que fica localizada na Mooca, zona leste da cidade de São Paulo |
Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Para a Prefeitura de São Paulo, a existência da comunidade apresenta “perigo de dano irreparável”, tanto para quem vive ali como para o viaduto, que recentemente teve partes interditadas para a passagem de veículos, após um incêndio atingir uma parte da comunidade em setembro do ano passado. Na época, duas pessoas ficaram feridas.

Não desistir, aliás, é sinônimo de vida para muitos dos que ali habitam, que buscam melhores condições para si e suas famílias, caso do carroceiro Adriano Almeida Ferreira, 31, que deixou o Ceará para tentar oportunidade melhor em São Paulo, onde mora há quatro anos. “É uma tiração o que estão fazendo com nós. Não levamos problema para ninguém. A comunidade é organizada. Não é certo tirar a moradia do cidadão. É desumano, está cheio de criança. Isso vai prejudicar muita gente”.

Moradores preparam o almoço|Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Adriano conta que, ao chegar na capital paulista, morou por pouco tempo na Rodoviária do Tietê, na zona norte, até conseguir um barraco de madeira na Ocupação Alcântara Machado, onde mora com a esposa, o enteado de 12 anos e uma amiga do menino, de 14 anos.

Adriano Almeida Ferreira, 31 anos, morador da ocupação|Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

A ação da prefeitura, caso concluída, não irá afetar somente a vida de quem mora na ocupação, também vai afetar diretamente dezenas de pessoas que vivem nas ruas e usam o local para necessidade básicas, como lavar roupas e utilizar os banheiros, divididos para homens, mulheres e transexuais.

Na área comum não é permitido andar sem camiseta, fumar, beber ou usar qualquer tipo de droga. Durante a visita da Ponte, no final de dezembro, crianças brincavam e corriam de um lado para outro junto aos animais de estimação, alheias à aflição de seus pais em perderem seus tetos. 

[...]

“Não vai afetar só os moradores daqui, mas também todos os moradores de rua e de outras ocupações da região que vêm tomar banho, assistir a TV. Aqui é como se fosse o trânsito dos moradores de rua. Muita gente vem buscar pessoas para fazer bico de montador de palco, trabalhar em evento, carga e descarga. Aqui funciona como uma central de emprego, pois tem gente disponível para qualquer tipo de trabalho”, afirmou o morador e um dos ajudantes da organização diária da ocupação, Rafael, 34 anos, que forneceu apenas o primeiro nome para a reportagem. 

Outro ponto que também é criticado pela população local é a falta de opções para o simples ato de acompanhar filmes ou programas na televisão. “Gosto de assistir TV. A televisão é o que nos faz esquecer o mundo, a droga e a bebida. Tirando o espaço de TV não tem graça ficar aqui dentro. Vou ter que voltar para a rua de novo”, afirmou o pintor Willian Loss, 32 anos.

Criança brinca dentro da ocupação|Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Além da remoção forçada, a principal reclamação dos moradores é a falta de diálogo da prefeitura com a comunidade. Tantos os entrevistados como a advogada da Pastoral Juliana Hashimoto, que acompanha o caso como terceira interessada, já que é a Defensoria Pública de São Paulo que trata dos interesses da comunidade, a gestão municipal faz muito pouco em apenas oferecer auxilio aluguel para quem reside em barracos e encaminhamento a CTA (Centro Temporário de Acolhimento), para quem dorme em colchão ou barracas de camping, caso de quem perdeu barracos durante o incêndio em 2019. 

“A proposta que está sendo feita de não contemplar a integralidade dos ocupantes é um critério formalista, excludente e irracional, que não leva em consideração a realidade da ocupação. Na cidade de São Paulo é impossível achar um local para alugar com R$ 400”, afirmou Juliana. Ainda segundo ela, moradores da localidade que já receberam, por algum outro motivo, bolsa-aluguel em outra ocasião não podem ser contemplados novamente.  

“Auxílio aluguel e encaminhamento para CTA é insuficiente, a demanda dessas pessoas é por moradia, o desejo deles é ter autonomia. Aqui você tem uma composição familiar diferenciada, não só solteiros, conta o assistente social Alex Uchoa, 29. O profissional tem uma história junto a comunidade, já que em 2012 passou a atuar na Pastoral do Povo da Rua, e em 2015 realizou seu estágio acadêmico no local. 

Local chamado de Praia, onde alguns moradores dormem|Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Juliana, Uchoa e os moradores entrevistados pela Ponte entendem que o melhor para a população local é a locação social, programa que oferta unidades habitacionais a valores acessíveis de aluguel para a população de baixa renda.

Se persistir apenas a oferta do bolsa-aluguel, Adriano Almeida Ferreira ainda não sabe como fará para alimentar sua família e pagar por uma moradia. “Aqui consigo o sustento. Só Deus sabe para onde vou. Com o auxílio-aluguel não tem como. Só se for para uma comunidade muito longe, onde não tem trabalho”.

Enquanto a ação de despejo não acontece, um festival que visa contar o dia a dia do local, organizado pelo Catso junto aos moradores, deve ocorrer no dia 11 de janeiro. Os interessados em participar podem colaborar com um quilo de alimento, exceto sal e fubá. 

Morador se distrai vendo TV | Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
“Gosto de assistir TV. A televisão é o que nos faz esquecer o mundo, a droga e a bebida” diz o pintor Willian Loss de 32 anos. Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Além da comunidade, embaixo do Viaduto Alcântara Machado também há uma academia de ginástica, um ringue de boxe, estacionamento, quadras de grama sintética e de concreto. No entanto, a prefeitura não respondeu se o pedido de reintegração abrange tais áreas. 

Procurada, a Defensoria Pública informou, por telefone, que está tentando contatar a defensora responsável pelo caso. A Ponte procurou o Tribunal de Justiça para saber se há uma previsão de data para a saída das famílias, mas ainda não obteve retorno.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Habitação (SEHAB), informa que esteve no local no dia 17 de dezembro para fazer a identificação dos moradores. Foram cadastradas 33 famílias, cujas situações serão analisadas para a inclusão no auxílio aluguel. Vale salientar que a SEHAB, por meio do Núcleo de Soluções de Conflitos, orientou as famílias sobre a necessidade de desocupação voluntária do local, conforme determinação judicial. 

O Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Mooca, da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), também está à disposição para ofertar serviços da rede socioassistencial e cadastro no CadÚnico para a inclusão nos benefícios sociais para as famílias. “Até o momento, ninguém aceitou o acolhimento que foi ofertado em visita realizada ao local em 17/12. O CRAS continua à disposição para atendimento a quem precisar na Rua Henrique Sertório, 175 – Tatuapé”, diz trecho da nota.

Morador brinca com seus cachorros | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Leia o texto completo em Ponte Jornalismo