Revista Fórum

Clique para compartilhar o link do texto original

Os brinquedos terão que ficar para outro Natal. Este ano, casos de crianças fazendo pedidos de presentes pouco comuns, na tentativa de ajudar os pais, vêm ganhando destaque em meio à crise econômica e ao desemprego, que se intensificaram no governo de Jair Bolsonaro.

Em Campina Grande, na Paraíba, por exemplo, Eloiza da Silva Souza, de 8 anos, escreveu uma carta ao Papai Noel pedindo, como presente de Natal, um botijão de gás para a sua mãe. “Eu queria que Jesus realizasse meu sonho de ganhar um botijão de gás para ajudar a minha mãe”, pediu a menina.

Sua irmã, Mayza Valentina da Silva Nascimento, de 3 anos, por sua vez, pediu uma caixa de biscoitos para ela e seu outro irmão. “Oi, meu nome é Maysa Valentina. Eu gostaria de ganhar um biscoito de presente porque minha mamãe e meu papai não pode ‘compra’ muito e às vezes quero comer mais não tem… Obrigado…”, disse a criança.

O relato das duas irmãs foi divulgado nas redes sociais do projeto social “Eu sou de Jesus”, que evangeliza crianças na região.

Através de doações anônimas, o pedido das crianças foi atendido. Além do botijão de gás, elas ganharam um fogão – já que sua mãe não tinha o eletrodoméstico em casa – e uma cesta básica.

De acordo com o portal G1, que entrevistou a mãe e as meninas, elas contam apenas com uma renda mensal de R$269 através de um programa social. “Elas pedem e a gente não tem para dar. Ficamos muito tocados porque elas podiam ter pedido brinquedos. Eu questionei porque ela quis pedir o biscoito e ela disse ‘eu quero, mamãe e a senhora não pode dar’. Isso machuca”, disse a mãe Maiara Cristina Nunes Silva, que tem 24 anos.

[...]

Emprego para o pai

Um caso parecido aconteceu em Cubatão (SP). Matheus Gomes Freire, de 12 anos, escreveu uma carta ao Papai Noel pedindo um emprego para seu pai.

“Só queria um emprego para o meu pai”, escreveu o menino. O caso gerou comoção e foi divulgado nas redes sociais pela funcionária de uma loja de um shopping.

Manoel Dos Santos Freire, de 53 anos, o pai, é soldador e está desempregado há cerca de 10 meses, assim como a esposa, e não sabia da carta do filho. “Eu estou sabendo agora. Fico orgulhoso do meu filho se preocupar conosco”, disse.

Saiba mais aqui.

Leia o texto completo em Revista Fórum