Revista Fórum

Clique para compartilhar o link do texto original

Uma câmera de segurança gravou a placa da caminhonete que foi usada pelos criminosos no atentado contra o prédio onde funciona a produtora do Porta dos Fundos.

As imagens mostram que são três suspeitos e um deles aparece com o rosto descoberto, o que deve facilitar a identificação. Um dos homens estava numa moto, e fugiu na contramão da Rua Capitão Salomão, onde fica a empresa. O material será entregue nesta quinta-feira (26) à polícia.

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

Existem seis câmeras que apontam para a entrada do prédio. Ainda esta semana, testemunhas do ataque serão ouvidas, como o segurança do local atacado, conseguiu apagar o fogo. Na madrugada em que aconteceu o crime, o local estava movimentado: havia uma comemoração de fim de ano de garçons e funcionários dos restaurantes da região em um bar ao lado da produtora, que aconteceu até 3 horas.

O humorista Fábio Porchat, que está em viagem ao México, foi entrevistado por O Globo.

[...]

“Penso que o ódio pelo Especial de Natal diz muito mais sobre quem o repudia do que sobre nós. A homofobia é nítida. Para nós, do Porta dos Fundos, ser gay é uma característica como qualquer outra. A pessoa pode ser alta, baixa, branca, negra, gay, hétero. Para os homofóbicos, ser gay é xingamento. Aí é que mora o preconceito. Se não identificarmos esses terroristas, isso pode soar como um aval para que mais atentados sejam encorajados a acontecer. O país e o estado precisam mostrar que não aceitamos ataques violentos de qualquer espécie contra quem quer que seja. Contra o presidente, contra o Porta dos Fundos ou contra você”, afirmou.

Ódio e violência

A assessoria do grupo, em nota, disse que o “Porta dos Fundos condena qualquer ato de ódio e violência e, por isso, já disponibilizou as imagens das câmeras de segurança para as autoridades, para o secretário de Segurança, e espera que os responsáveis pelos ataques sejam encontrados e punidos”.

O Porta dos Fundos disse, ainda, que o fogo só foi contido graças à ação rápida de um segurança do prédio. Somente o quintal e a recepção foram atingidos. O grupo destacou, também, que voltará a se manifestar quando tiver mais informações sobre o ocorrido e que, por enquanto, os integrantes seguirão em frente “mais unidos, mais fortes, mais inspirados e confiantes que o país sobreviverá a essa tormenta de ódio e que o amor prevalecerá junto com a liberdade de expressão”.

Com informações de O Globo

Leia o texto completo em Revista Fórum