Tijolaço

Clique para compartilhar o link do texto original

O Brasil de hoje supera, longe, o que qualquer imaginação fértil seria capaz de imaginar.

É uma espécie de “triangular decisivo”, como nos torneios de futebol antigos, disputado por primos-irmãos do Inferno.

Comandos bolsonaristas começaram a cercar o governador Wilson Witzel por onde quer que ele vá, aos gritos de traidor, traidor”.

Witzel reage mandando a polícia abir inquérito sobre um vídeo produzido por milícias virtuais do ex-capitão dizendo que ele liberou dinheiro do Estado do Rio de Janeiro para a Globo, como forma de “compensar” os prejuízos da emissora como o anunciado corte de verbas publicitárias do governo federal.

Governo Federal que está embarreirando a continuidade do plano de recuperação financeira do Estado, formalmente por detalhes técnicos nos quais ninguém acredita serem empecilhos.

Mas não termina aí.

[...]

Agora, Jair Bolsonaro assume o papel de juiz, promotor e polícia e manda Carluxo “apreender” os registros dos telefonemas entre a portaria de seu condomínio e as casas dos moradores:

(…)e outra, nós pegamos antes que fosse adulterado, pegamos lá toda a memória da secretária eletrônica, que é guardada há mais de anos, a voz não é minha.

E garantiu que, embora o inquérito seja estadual, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal, que passa a agir como milícias do ex-capitão:

— Está requisitado, está tudo deferido, é a Polícia Federal, com o assessoramento do Ministério Público Federal lá da seção do Rio de Janeiro. Vamos ouvir o porteiro, vamos ouvir aí o delegado também, o delegado que é muito amiguinho do governador, e logicamente que gostaria que o governador também participasse, né?

O Rio de Janeiro sofre há tempos com as “guerras entre facções”.

Embora alguém precise lembrar para criarem o slogan: “o nosso comando jamais será vermelho”.

Leia o texto completo em Tijolaço